Skip to content

Padre Mauro Luiz da Silva, um comunista caótico com as costas quentes

abril 9, 2010

“Ola, acabo de receber uma proposta para assistir um video e preciso manifestar minha indignaçao com relaçao ao que vi. Encontro apenas uma palavra… ridiculo! Eu sou COMUNISTA. Agradeço, cada dia, a Sao Lutero, por ter nos livrado da maldiçao de uma igreja monarquica, impiedosa, cruel, assassina, mentirosa, poderosa… Graças a Sao Lutero o Povo Santo de Deus, os pobres, puderam voltar para CASA.

Tenho mais o que fazer, nao me mande mais este tipo de LIXO!!!

Que Deus os amaldiçoe,”

As palavras acima não são de um furibundo anti-católico. Tampouco são de um protestante peculiar que tenha chegado ao cúmulo da loucura ao canonizar Lutero. Também não é o produto de um neo-ateu, daqueles que leu um livrinho de Richard Dawkins e resolveu partir para o ataque, crente que já sabe de tudo, como um adolescente que despreza quem não compartilha de suas idéias.

Nada disto… As mal traçadas acima — e bota mal traçadas nisto! — são da pena de um sacerdote católico da Arquidiocese de Belo Horizonte.

Tenho um amigo, um caro amigo, que diz que a Igreja Católica praticamente acabou em BH. Se eu achava isto exagerado, parece ser o momento de rever os meus conceitos…

Esta declaração e outras do Padre Mauro Luiz da Silva podem ser vistas no site da Associação Montfort. O que causou tal reação, que mais podemos chamar de uma confissão de fé anti-católica, foi um simples vídeo que lhe foi enviado pelo sr. Sergio Almeida.

O que havia no vídeo? Apenas a denúncia dos mais variados abusos litúrgicos que ocorrem por todo o mundo, a demonstração de como a fé católica está em decadência em inúmeras dioceses, a demonstração sobre como os fiéis vão perdendo rapidamente o sentido do Sagrado.

O vídeo, chamado “O que nós perdemos” (“What we have lost”), já era de meu conhecimento, e é impossível que qualquer católico minimamente consciente de sua missão assista ao vídeo sem sentir seu coração levar punhaladas. É padre vestido de palhaço rezando Missa, gente manuseando a Sagrada Eucaristia sem a menor cerimônia, gente dançando na Missa, etc. Um verdadeiro horror.

Mas para o Padre Mauro o vídeo é ridículo, pois ele é o reflexo de uma “igreja monarquica, impiedosa, cruel, assassina, mentirosa, poderosa”. Para o padre a Igreja é com “i” minúsculo mesmo, e com todos os adjetivos pejorativos que ele encontrou à mão no momento. Seu ódio não se voltou para quem tratava irreverentemente ao Corpo e Sangue de Nosso Senhor e Salvador. Que nada! O que o indigna é que ainda haja alguém que manifeste respeito pelos sacramentos e pela Santa Igreja, aquela que ele chama de todos os nomes horríveis que lhe passaram pela cabeça no momento.

E o padre até mesmo declarou-se comunista, uma doutrina responsável pela morte de mais de 100 milhões de pessoas só no século passado. Entre estes 100 milhões, podemos contar inúmeros irmãos de saçerdócio do Padre Mauro, que foram assassinados pelo simples fato de serem católicos, assim como inúmeros fiéis.

Mas parece que para o Pe. Mauro nada disto importa muito, como não deve importar a palavra de um Papa:

“O socialismo quer se considere como doutrina, quer como fato histórico, ou como “acção”, se é verdadeiro socialismo, mesmo depois de se aproximar da verdade e da justiça nos pontos sobreditos, não pode conciliar-se com a doutrina católica; pois concebe a sociedade de modo completamente avesso à verdade cristã.” – ENCÍCLICA QUADRAGESIMO ANNO

E isto o Papa Pio XI falava sobre o socialismo que se pretendia cristão. Podemos imaginar o que o Pontífice falaria sobre o comunismo do Pe. Mauro… Mas o padre nem ligaria, provavelmente. O negócio dele é venerar o “São” Lutero, um homem cuja grande obra da vida foi dividir o que Deus queria unido e que pode ficar com boa parte da responsabilidade por tantas almas perdidas. É uma pessoa assim que o Pe. Mauro venera… Faz sentido.

E faz mais sentido ainda como o padre termina seu curto texto-resposta dirigido ao sr. Sergio Almeida: lançando-lhe uma maldição e àqueles que concordam com ele. Uma maldição! Um padre lançando uma maldição sobre um fiel católico, cujo “crime” foi tentar mostrar a outros o perigo à fé que são tantos abusos aos quais muitos fiéis vão se acostumando.

E é este fiel zeloso que vira alvo de uma maldição do padre… Lutero, não. Marx, não. Che Guevara? Nem pensar! Stálin? Nada! O alvo da maldição do padre é o fiel católico que insiste que a Igreja é Una, Santa, Católica e Apostólica, que insiste em alertar seus irmãos de fé que o perigo nos ronda, que precisamos estar vigilantes. É este tipo de fiel que merece do padre uma maldição.

E é este mesmo padre que assina sua mensagem dizendo-se parte de um projeto chamado “Caminhada pela PAZ”. Qual paz? A de Nosso Senhor Jesus Cristo ou a de Marx e seus 100 milhões de mortos? A paz de Che Guevara e seus assassinatos a sangue frio? A paz do “paredón” cubano? Que paz é esta que vai fundamentada em mortes cruéis, em sangue vertido, o sangue de inúmeros mártires que veneramos em nossos altares, mártires estes que o padre desdenha com sua atitude inconseqüente e irresponsável para com seu ofício?

Porém, não satisfeito em mostrar um discurso que de forma alguma poderia ser o de um sacerdote católico, Pe. Mauro faz uma revelação que nos deixa bem ver a quantas vai o problema que estamos enfrentando:

“Digo, apenas a titulo de informaçao que, nada do que lhe disse em meu e-mail nao é do conhecimento de todos que me conhecem, o que nao é o seu caso. Dom Walmor e Dom Joaquim me conhecem e sabem de todas as minhas opinioes… Assim como voce se sentiu no direito de me agredir com aquele video, senti-me no direito de lhe responder com um pouco do que penso. Voce nem imagina o que sou, o que acredito, o que defendo e a que Reino estou servindo.

Vejo que os métodos e praticas de tortura e perseguiçao da nossa igreja continuam atuantes e com nova linguagem e meios para expandir seu reino de medo e terror.”

Segundo as palavras do próprio padre, toda sua profissão de fé, que mistura comunismo, veneração protestante e uma maliciosa forma de ver a História da Igreja são do conhecimento de seu bispo, D. Walmor Oliveira de Azevedo. Aí está o problema! Que Pe. Mauro gaste seu tempo e esforços para desunir mais que ajuntar é coisa que muitos já fizeram durante os 2 mil anos da Santa Igreja, mas o que não é admissível é a complacência de seu bispo.

E a coisa fica pior ainda quando sabemos que D. Walmor, bispo do Pe. Mauro, é o presidente da Comissão para a Doutrina da Fé da CNBB, além de, recentemente, ter sido nomeado para a Congregação para a Doutrina da Fé. Ou seja, parece que D. Walmor entende um bocado quando o assunto é Doutrina. Ou isto, ou ele engana muito bem…

Por que então D. Walmor não toma alguma atitude em relação a um padre como Pe. Mauro? Mistérios…

O fato é que Pe. Mauro está tão tranqüilo em seus posicionamentos que até se dá ao luxo de fazer troça com o sr. Sergio Almeida, fornecendo ele mesmo os endereços eletrônicos de D. Walmor, de sua secretária e de D. Joaquim Mol, bispo-auxiliar. Ou seja, Pe. Mauro está bem confortável em passar aos fiéis sua visão distorcida do que é o catolicismo, uma visão que mistura de tudo um pouco, menos o que a Santa Igreja ensina. E tudo isto debaixo das barbas de seu bispo…

Nosso Senhor Jesus Cristo mandou-nos amar até nossos inimigos. Padre Mauro, comunista, amaldiçoa um fiel que não segue seu peculiar catolicismo. É fácil ver que está errado.

São Paulo Apóstolo foi capaz de ralhar com São Pedro quando viu que este estava em erro. D. Walmor, especialista em questões doutrinárias (é, não é?), não é capaz de dar um puxãozinho de orelha em um padre que mais parece com nossos inimigos que um sacerdote. Triste.

Anúncios
2 Comentários leave one →
  1. Mauro Luiz da Silva permalink
    julho 18, 2010 14:27

    Realmente, este mundo esta cheio de gente mentalmente doente… O mais louco de tudo isso é que se acham cheios de razao. E eu aqui, perdendo meu tempo com voces!!!

    • julho 19, 2010 10:55

      Concordo plenamente, padre!

      O mundo está mesmo cheio de um monte de coisas, até mesmo de sacerdotes que amaldiçoam a fiéis católicos. Há também um monte de gente que venera um “santo” responsável pela divisão do que o que Deus queria unido. Há também sacerdotes, quem diria!, que orgulhosamente se dizem comunistas, quase que dançando na cova de vários de seus irmãos no sacerdócio que perderam a vida ao enfrentar esta ideologia anti-cristã.

      Realmente, há mesmo muita gente doente da cabeça…

      E nem se precisa estar “cheio de razão”, não… É só mostrar o quanto vai sem razão quem quer defender coisas indefensáveis como “São Lutero” ou quem quer misturar catolicismo com comunismo. A falta de razão de quem tenta conciliar estas coisas está bem à vista; só não enxerga quem não quer.

      E nem precisa perder muito tempo.

      []’s

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: