Skip to content

Sneijder, um craque católico

julho 4, 2010

Esta dica veio através do meu amigo Wagner Moura, editor do blog “O Possível e o Extraordinário”.

Sneijder, o craque holandês que ajudou a despachar da Copa da África do Sul uma das seleções brasileiras mais medíocres de todos os tempos, é mais do que apenas um bom atleta. A história de sua conversão é muito bonita e pode ser vista brevemente no blog “Acarajé Conservador”.

A ironia fina de Pedro Ravazzano, do “Acarajé Conservador”, ao dizer que “Um católico conseguiu acabar com a seleção de protestantes”, ao falar do triunfo de Sneijder sobre o time de Kaká, Lucio e Robinho, é para fazer pensar. Evidentemente que não é o caso de se querer analisar a uma derrota por qualquer viés religioso, mas talvez seja o caso de tentarmos ver formas diferentes de servir à seleção inspiradas na religião.

Acho besteira, e besteira fenomenal, qualquer coisa que se aproxime de dizer que em uma Copa estamos em tempos de “pátria de chuteiras”. No entanto, creio que certa etiqueta devesse ser respeitada quando se trata de seleção, pois a seleção brasileira, mesmo que a CBF tente fazê-la sua exclusiva propriedade, é dos brasileiros. E é por isto que me incomoda quando vejo jogadores usarem a seleção para coisa outra que não seja jogar futebol.

Uma superficial busca por imagens de comemorações de gols de Kaká e Lucio mostra ambos fazendo o já famoso gesto de apontar com ambas as mãos para o céu, gesto este que é feito por inúmeros atletas hoje em dia. Desnecessário dizer que isto é mais uma jogada de marketing religioso de inúmeras seitas, que usam o futebol e o sucesso de algumas estrelas deste esporte para tentar passar uma mensagem de sucesso divino garantido àqueles que sigam seus caminhos. Ah! A falta que fazem os sacramentos! Mas isto é outra história…

O que acho ridículo é exatamente o fato de padronizar até mesmo a alegria natural da marcação de um gol para que ela caiba como uma luva no marketing religioso chinfrim de inúmeras seitas. Nada de soco no ar, como Pelé; nada de palavrões, como Rivelino em 1970; nada como a alegria juvenil de Garrincha ao marcar seus gols; nada como os braços abertos de Ronaldo Fenômeno… Nada disto! Os jogadores protestantes preferem mesmo é uma comemoração padrão e pobre, que serve mais a interesses provavelmente comerciais que a estravazar e simbolizar a alegria de uma nação que se orgulha de uma coisa que faz bem, que é jogar futebol.

Alguns podem dizer: “Ah! Mas eles estão contribuindo para a evangelização!” Não acredito nisto nem por um segundo que seja… Toda vez que vejo um idiota destes apontando para o céu, tenho a certeza que o que querem mesmo dizer é que olhemos para eles e que vejamos que sua opção religiosa é garantia de seu sucesso profissional e financeiro. Podem apontar para o alto, mas miram é em si mesmos, em suas imagens. Isto tem nome: é idolatria.

A verdade é que a massa protestante, a mesma massa que acha mesmo que existe uma “religião evangélica”, como se batistas, presbiterianos, metodistas e toda a miríade de pentecostalismos e neo-pentecostalismos que por aí existem, professassem a mesma fé, uma mentira que não se sustenta por 2 segundos no ar, esta mesma massa ignara sobre suas próprias orígens adora notícias que tragam a relação de jogadores “evangélicos” da seleção, pois isto dá vazão aos comichões idólatras que sentem por estes jogadores e por seu sucesso profissional e financeiro.

Claro que há até mesmo ironias, tal como o “evangélico” Filipe Melo, que declarou que Deus o havia mudado, que agora é uma pessoa “mais madura, mais tranquilo, melhor” e que nem sente mais “vontade de brigar com as pessoas”. E não é que Robben deve ficar satisfeito por apenas ter sido pisado pelo desequilibrado volante? Fosse o Filipe Melo de antes, talvez o atacante holandês saísse do campo de jogo direto para um necrotério…

A maneira católica é bem diferente… Eu só soube que Sneijder era católico ontem com a dica do Wagner Moura. Discreto, o meia holandês diz que reza no hotel antes dos jogos e que faz uma pequena oração antes de entrar em campo. Alguém o viu mostrando uma camisa que não a de sua seleção ao comemorar seus gols? Alguém o viu apontando para o céu e fazendo-se de garoto-propaganda sem que Deus lhe tivesse pedido tal coisa?

Evidente que um gesto de fé no campo é completamente aceitável e natural, sem que haja exageros. Exemplo: na final da Copa de 1970, Jairzinho, ao marcar o terceiro gol do Brasil em cima da Itália, corre para a torcida e, em dado momento, pára, ajoelha-se e, recolhido, faz o sinal da cruz. Recentemente pude vê-lo comentando exatamente este gol e o Furacão da Copa disse que ajoelhou-se e agradeceu a Deus pelo gol e por tudo o que estava acontecendo. Coisa completamente natural e bem contrária aos artificialismos de Kaká, Lucio e outros, que utilizam um momento de alegria compartilhado por milhões para suas agendas pessoais.

Sneijder, um recém-convertido ao catolicismo, ao mostrar a maturidade com que vive sua fé, bem diferente do estrelismo  marketeiro protestante de certos jogadores brasileiros, dá uma aula de civilidade, de religiosidade e dá um verdadeiro baile em muita gente que só quer aparecer e posar de ídolo de gente ignorante.

Anúncios
38 Comentários leave one →
  1. julho 6, 2010 14:45

    Concordo, não por ser católico…

    É evidente a maturidade do ser “civil”. Uma questão de respeito, eu diria.

    Concordo quando diz que são filosofias diferentes, e, realmente são.

    Os evangélicos, às vezes, caminham entre o individualismo cético e o solipsismo. Imaturidade: quando o culto parece mais um ataque defensivo que uma oração humilde e, sobretudo, individual.

    Não que o texto seja uma crítica ao gesto, mas antes, uma simbologia que, cristã, precisa ser individualizada em nome do respeito a outras culturas, e portanto, ao ser humano.

    O individualismo cristão é paradoxal: A humildade silenciosa e serena do evangelho de mateus, que é o traço principal do respeito. O individual que é antes humanista, que trata o espaço não com o solipsismo egoísta, mas com o coração solitário(solidário), entretanto, universal.

    Sneijder, católico ou universal, como preferir. Essa é a grande palavra. Já subvertida pelo homem…

    • julho 6, 2010 17:58

      O que eu quis destacar, principalmente, era a espontaneidade de um Jairzinho, Sneijder ou até de outros atletas que tenham a religião presente em suas vidas.

      Gestos de fé são naturais e completamente aceitáveis por toda a sociedade…

      Quando a coisa ganha ares de puro marketing é que começa a incomodar e, do ponto de vista religioso, passa bem longe de ser uma coisa que aponte a Deus, parecendo muito mais querer dar relêvo à criatura que ao Criador, como é o que percebo nestes casos abordados.

      []’s

  2. julho 6, 2010 16:00

    O Craque pedofilo?
    Propaganda protestante é marketing? a do catolicismo é como abusar de um acriança em 10 passos…

    • julho 6, 2010 18:08

      Não ia nem aprovar uma tal mensagem, mas estou com um pouco de tempo. Então, vá lá. Enjoy your 5 minutes, little man!

      Traz aí o tal marketing sobre como abusar de criancinhas com o aval católico. Vou ficar esperando para publicá-lo. Dou minha palavra.

      Traga também aonde, na doutrina ou ensinamentos católicos, está dito que um padre ou religioso deva se comportar como uns poucos (sim, são poucos, pouquíssimos…) criminosos se comportam em frontal desacordo com seus votos, feitos por espontânea vontade.

      Você, que é tão pronto para acusar, deve ter estes dados à mão, não é mesmo? Traga-os então.

      Ou será que vc não tem nada e só gosta de bufonear para ficar bem com a galera? Pode ser, pois quem não tem nem a coragem de assinar o próprio nome mostra bem a quantas vai seu caráter.

      []’s

      P.S.: Pode encher a caixa de comentários com tuas provocações o quanto quiser, mas só publicarei algo quando vc trouxer os 2 pontos que te solicitei acima. Não deve ser difícil para vc…

  3. rosemary moraes roberto salgueiro permalink
    julho 6, 2010 20:59

    1. O significado do gesto é: “Toda honra e glória é para Ti. Não posso me esquecer, por mais que eu ganhe títulos, prêmios, adoração, que a real honra é Tua. Não me deixe tirar o pé do chão, nem o meu centro de Ti. Toda honra humana é passageira, todo aplauso humano é volátil. Tudo passa. Não me deixe querer o Teu lugar. Não me deixe enlouquecer, pois poder seduz. O poder e fama são simples arremedos de nosso desejo de querer a Tua adoração para nós, o que simplesmente não é possível, pois fomos criados por Ti, e não somos como o Senhor, Pai.” E na verdade, muito mais do que isto, para quem é um adorador submisso ao Pai. Infelizmente, já ouvi e li mtas explicações errôneas sobre este gesto. Até um artigo do Kfouri, afirmando que tal gesto é: Obrigado Deus, pois o Senhor só ouve a mim, e interfere no jogo a meu favor….
    Não me arrisco a falar sobre questões que não conheço. Principalmente crenças. É desrespeitoso e faltoso de sabedoria. Sabedoria, que como Tiago escreveu em sua única carta, provém gratuitamente de Deus. E é diferente de conhecimento, que qualquer homem pode granjear. Sabedoria, até uma pessoa inculta pode ter e já vi muitos graciosos exemplos.
    2. O que eles pensam ou sentem ao fazerem o gesto, se é verdadeiro ou marketing, só o Verdadeiro e Justo Juíz, conhecedor de todos os corações, incluindo o meu e o seu, é quem sabe. E Ele exorta a quem é sensível á sua voz, como a você e á mim. Isto, não só agora, mas tbém nas Bodas do Cordeiro.
    3. Entendo sua indigñação, pois creio, que você, como muitos,não conhecem o maravilhoso significado de submissão deste gesto. E como, você é um humano como eu, necessitado da graça de Deus em Cristo, como eu, só pode supor as razões e sentimento que povoam as mentes e corações de quem o faz.
    4. Eu mesma, qdo uso minha voz e recebo elogios, faço alegremente este gesto, que me lembra quem eu sou, quem é o meu Salvador e Senhor, e que se há uma verdadeira honra e glória é para Ele. O resto é ilusão. Ou Maya, como dizem entre muitos, os hindus, … ilusão.

    4. A conversão é diária. Cristo, através do Espírito Santo de Deus, nos corrige, exorta o tempo todo. O Felipe, vai aprender muito, de maneira imediata, ou com um caminho bem difícil. Como aliás, o próprio apóstolo Paulo, que mesmo após 3 anos de preparação, se irritava muuuuito e era ruinzinho de benignidade, como podemos ver em vários epísódios do Livro de Atos, citando apenas como exemplo, o caso de João Marcos e Barnabé. Em suas últimas cartas, vemos em ja´avançada idade, o quanto se tornou mais sábio, manso e longânimo.
    Puxa vida… isto está na Bíblia. Tanto que já li e ouvi padres pregando sobre o óbvio: consagração, crescimento espiritual, conversão diária… Inclusive, Paulo aconselha Timóteo, qdo escolhesse líderes, que não fossem entre os neófitos, pois logicamente, não tinham maturidade espiritual para amparar outros cristãos, e nem tinha sido trabalhados pelas dificuldades como bem explica o crescimento nas crises, se ler o cap. 1 de Tiago.

    5. Qto á divisão de tribos, me lembro bem em BH, que qdo eu acompanhava uma supervisora católica, muuuuito maravilhosa, às reuniões da Carismática, o qto, eles eram mal vistos pelos católicos tradicionais. O bom, que sempre tem um Francisco de Assis, uma Teresa de Calcutá, distantes deste tipo de disputa insana. Como muitos evangélicos e protestantes tbém. Não coloque um comportamento falto em sabedoria e graça em todos, pois eu não julgo todo padre por alguns. Isto,sem lhe mencionar, que qdo sabia destes tipos de abusos e outros, nem pensava em aceitar Cristo como Salvador. Tenho 44 anos, mas antes dos 15, já sabia destes fatos tristes, o que não me impediu de conhecer padres e freiras cheias de amor e respeito pelo próximo. E sem ar de santidade forçada, como se fosse de uma elite estranha. Eram normais. PS: execro este comportamento, no meu povo tbém. A diferença, é que Cristo, nos avisou tanto em Mateus 24, qto os apóstolos Paulo, Tiago, Pedro e João, que haveria no meio do povo, pedras de tropeço, e aiii de quem fosse este tipo de pedra. Terrível coisa é cair nas mãos do Deus Vivo.
    6. A sensação qdo li o seu artigo, é de alegria vingativa. Que repudio e exorto na Palavara, qdo percebo entre os meus. E que Deus sempre usa alguém ou algo para me exortar, se caio neste erro. Só precisa ser sensível á Sua voz, para se corrigir. Não foi um texto que nos chama á correção; mostra indignação +alegria de vingança. Triste, pois tenho amigos católicos : uma de quase a minha idade e outra, uma de 84 anos, devota de Sta Terezinha, que apesar disto, Deus tem me permitido aprender muito com ela. Com certeza, não a vejo com tal postura. Pois ela tem sabedoria… apesar de ser uma simples lavradoura e diarista aposentada.

    Rosemary M. R. Salgueiro

    • julho 6, 2010 23:28

      1) Bom que vc ache que o gesto é isto tudo. Tomara que seja. Mesmo assim, fica ainda mais estranho a padronização, que é exatamente o que mais me causa estranheza. Mantenho minha opinião: é marketing chinfrim.

      2) Volto à questão da padronização. Uma coisa que é natural virou gesto padrão.

      3) Qual indignação, minha cara. Só dei minha opinião sobre uma coisa que vejo há muito… Estou indignado não, fique tranqüila. Apenas mostrei que a maneira católica é bem diferente em relação a estas coisas.

      4) Escreveste muito bem, mas não sei ainda o que isto adiciona ao assunto…

      5) Talvez vc devesse se inteirar mais sobre o catolicismo. Um São Francisco de Assis, uma Beata Madre Teresa de Calcutá jamais estiveram distantes deste tipo de “disputa” — melhor seria a palavra discussão. Eles, como todos os santos, estavam aonde têm que estar: ao lado da ortodoxia, da Igreja.

      Mas mais uma vez não entendi bem o encaixe disto no assunto em questão… Se vc está pensando que estou tentando aproveitar a oportunidade para cutucar protestantes, engana-se.

      6) Engana-se, mais uma vez, ao achar qualquer tipo de “alegria vingativa”, como já havia se enganado com a minha “indignação”. De duas, vc acertou nenhuma.

      Que tal ler tuas próprias palavras antes de ficar atirando para todo lado querendo ler o que me vai no coração? “(…) só o Verdadeiro e Justo Juíz, conhecedor de todos os corações, incluindo o meu e o seu, é quem sabe”.

      ***

      Torci pela seleção como a maioria dos brasileiros. Só isto. Se vc acha que estou tirando casquinha da derrota, engana-se mais uma vez. O assunto é o que vai no texto, não precisa ficar achando ou querendo que vá ali algo mais. Vejo marketing protestante sim nestas coisas, e vejo que as coisas são bem mais naturais em um Jairzinho que se ajoelha, ou em um Sneijder que, mesmo recém-converso, vive sua fé de forma madura. Se vc for procurar, este gesto é coisa recente no futebol… Sempre houve jogadores protestantes, mas, a partir de um determinado momento, um monte de jogadores começaram com a mesma moda. Curioso.

      Mas talvez vc devesse deixar um pouco minhas palavras de lado, ou o que vc acha que vai em meu coração, e atentar para o que anda no teu. Veja tuas palavras do último parágrafo sobre a senhora de 84 anos… “(…) devota de Santa Terezinha, que apesar disto (…)”. Apesar disto? Por que apesar disto? Confesso que não entendi este “apesar disto”… Não conheço a tal senhora, mas tenho certeza que sua sabedoria tem muito a ver com sua religiosidade, como é natural em qualquer pessoa que viva sua fé de forma madura. Não cabe um “apesar disto” em minha opinião, mas é vc quem sabe a forma com que deseja encarar tuas amizades.

      Ah, sim… O texto chama à correção sim. O chato é que vc ficou tão preocupada em imaginar o que vai em meu coração que esqueceu de atentar para o que eu escrevi. Pena.

      []’s

  4. rosemary moraes roberto salgueiro permalink
    julho 6, 2010 21:05

    PS. O meu email está aí, caso queira me responder. Espero ver o meu comentário em seu blog. Não há nada nele que impeça de ser publicado.
    obrigada, Rosemary

  5. Alex Jeronimo permalink
    julho 7, 2010 10:42

    Bem, também não é de hoje que os chamados “atletas de Cristo” dão seus espetáculos como que creditando a Deus o êxito do gol.
    Acredito que sempre existe o aproveitamento das camaras, da propaganda gratuita, para ampliar as fileiras dos membros dessas denominações, mas o que me deixa profundamente chateado, é que Deus não tem nada haver com o “bendito” gol, que esse agradecimento a Deus, não leva em consideração, que nas traves adversárias, pode estar um goleiro protestante, e que esse pode estar fazendo a seguinte pergunta. Senhor porque? Porque a Jabolane entrou? Porque eu não consegui agarrar?
    A resposta é simples, Deus não participa dessas coisas, não interfere num jogo, e não tem preferencia por nenhum deles.
    Se dizem atletas de Cristo, mas recebem dos times.

  6. Rafik permalink
    julho 7, 2010 18:57

    vcs católicos não deveriam criticar os gestos feitos nos gramados pelos jogadores, pois o gesto mais visto nessa copa foi o sinal da cruz, que é exclusivamente católico, erguer as maõs para o céu não é um gesto que identifica a religião de ninguém, a única religião divulgada nessa copa atravez de gestos foi a igreja católica.

    • julho 7, 2010 21:11

      Xi, rapaz… Leia de novo até entender o que eu escrevi. Ou não… Tanto faz… Parece que não vai adiantar muito no teu caso…

      []’s

  7. julho 8, 2010 01:46

    Poxa gente, bem engraçado os comentários acima, e também no blog do Acarajé Conservador. Só uma questão, de que a “igreja evangélica é dividida”, pior é que é mesmo. Se pegar 3 de cada denominação (que devem ser muitas), e colocar numa mesma sala, se bobear da cadeiradas pra todo lado (exagero talvez).
    Mas a respeito da seleção de protestantes, independente do marketing, acho que la haviam mais católicos (mesmo que apenas nominais) do que protestantes.
    A respeito da seleção ser a mais medíocre de todos os tempos, é bem pessoal, tanto da sua quanto da minha parte, mas até que eu estava gostando dela sabe. Pena que perdeu. Sobre os gestos deles, ao fazerem gols, de apontar as mãos para cima: não acho que seja um gesto com intuito de evangelizar, mesmo porque as poucas pessoas que vejo evangelizando através de gestos são o pessoal da Libras (linguagem brasileira de sinais). E sobre padronização da comemoração, e querer comparar o Lucio, Kaká, até o Felipe Melo, poxa mano, você foi comparar justo com o Ronaldo, Pelé, Garrincha… eram grandes jogadores, mas nessa discussão (evangélicos e protestantes), de que lado estes três últimos estão?
    Só mais uma coisa, dizer que um católico triunfou sobre uma seleção de protestantes, esta é uma frase típica de um religioso, não de um crítico do futebol (nem eu o sou), porque a parada era 11 x 11.
    Eu concordo com a opinião de que Deus não interfere no jogo, mesmo porque, se olharmos para a Copa do Mundo, organizada pela maldita FIFA, provavelmente Jesus aplicaria toda aquela grana utilizada para os estádios em outras coisas (não levem ao pé da letra), e mais, este sistema luxuoso que rege o futebol, só ajuda a cada vez mais enriquecer um bando de milionários, e escravizar um bando de ignorantes que até brigam por seus times.
    Marketing religioso ou não na parada da comemoração e tal, tanto católicos discretos (nem sempre foi assim) como evangélicos escandalosos, ambos deixam em muito a desejar na questão evangelismo, a exemplo disso, nós que aqui estamos perdendo nosso precioso tempo, ou não, escrevendo palhaçadas pra mais um monte de gente ler, ou não.

    Desculpem os erros de português.

    Grande abraço aos donos desta página. Não quis ofender ninguém.

    Filipe de Oliveira Sales (Guerreiro)

  8. Humberto Caetano Pereira permalink
    julho 8, 2010 09:37

    Olá.

    Paz e Bem, como falaria Francisco.
    Paz e Graça, como eu digo aos meus.

    Amado, sou pastor batista, nossa Igreja é em Curitiba.

    Gostaria de pontuar apenas duas coisas que devem ter passado
    despercebidas por você.

    Nem todos os evangélicos são protestantes, nós por exemplo somos
    Evangélicos históricos.

    Outra coisa, nós não somos nem pentecostais e muito menos neo-pentecostais.

    Não creio que haja uma unidade doutrinária no meio evangélico, principalmente por
    termos tantas correntes como os protestantes, os evangélicos históricos, os pentecostais e finalmente os neo-pentecostais. Menciono estes sem mencionar os pseudo-cristãos que tem denegrido a mensagem da Cruz e vendido a fé por preço baixo.

    Creio também que na Seita Católica também não existe um pensamento homogêneo,
    só para falar de uma divergência cito a RCC. Convenhamos, o rito da RCC é bastante
    diferente do rito tradicional da liturgia Católica. Em muitas ocasiões percebo que existe
    uma iniciativa de cópia e imitação da maneira evangélica (de modo geral) de pregar.

    Deixo você com a Graça e com a Paz de Cristo, sem precisar
    de nenhum outro sacramento.

    Rev. Humberto Caetano Pereira.

    • julho 8, 2010 10:23

      Meu caro Humberto:

      PAX!

      Perdão, mas não passou despercebido, não. O que eu quis indicar é exatamente que inexiste isto de “religião evangélica” como muitos crêem e outros querem que vários desavisados creiam. Existem presbiterianos, batistas, pentecostais, etc.

      Porém o senhor vai muito errado ao pensar que não existe pensamento “homogêneo” (eu usaria outra palavra, mas vá lá…) na Santa Igreja. E, sim, o termo correto é mesmo Santa Igreja; seita é para quem não guarda qualquer contato com a sucessão apostólica e tampouco teve como fundador Nosso Senhor Jesus Cristo.

      A coisa, na verdade, é bem fácil: o ensinamento ortodoxo e autorizado vem do Magistério. E só.

      Inexiste uma coisa chamada “rito da RCC”… Existe o Rito Latino, que é o utilizado aqui no Brasil, e este na forma ordinária e na extraordinária, e existem outros ritos.

      A RCC, apesar de vários abusos geralmente cometido por gente não esclarecida, é um movimento católico e que está sendo visto com carinho por Roma. Achar que isto é coisa que prova falta de unidade é coisa de quem entende bem pouco de catolicismo e de sua história.

      E sim, Humberto, vc precisa muito dos sacramentos que foram instituídos por Nosso Senhor Jesus Cristo. Na verdade, não há ser humano na face da Terra que deles não necessite.

      []’s

      • Humberto Caetano Pereira permalink
        julho 8, 2010 12:00

        Fique com você o sacramento .

        E a forma correta de se referir a mim é reverendo.

      • julho 8, 2010 12:36

        Para mim vc é só Humberto, meu amigo.

        []’s

      • Humberto Caetano Pereira permalink
        julho 8, 2010 12:01

        Outra coisa.

        Mostre-me onde está a referencia em que Jesus, o Senhor e Cristo,
        institui qualquer sacramento.

      • julho 8, 2010 12:37

        Faça vc o teu trabalho de casa antes de ficar querendo impor desafios.

        Vc consegue…

        []’s

      • Humberto Caetano Pereira permalink
        julho 8, 2010 14:25

        Você não sabe?

        Onde está o seu conhecimento?

      • julho 8, 2010 14:52

        Desnecessário responder isto… Vale ainda a resposta anterior.

        []’s

      • Humberto Caetano Pereira permalink
        julho 8, 2010 14:32

        Não sei por que você está agindo assim.

        Achei tão inteligente o seu blog. Achei que o seu autor
        fosse um pouco mais esclarecido.

        O título de reverendo é muito mais acadêmico do que
        religioso.

        Arrependo-me de ter falado com você!

        Paz e Graça!!!

      • julho 8, 2010 14:56

        Não vi o que minha atitude tem que esteja incomodando… Só porque vejo as coisas de forma diferente?

        []’s

  9. Humberto Caetano Pereira permalink
    julho 8, 2010 09:49

    Para maiores informações sobre o que é ser seguidor de Cristo
    consulte o link do Pavazine.

    ### EDITADO ###
    Creio que o Pavazine não precisa de propaganda por aqui…
    ##############

    • Humberto Caetano Pereira permalink
      julho 8, 2010 12:02

      O Pavazine deu o seu link. Pelo menos cortesia é requerida.

  10. julho 8, 2010 13:46

    Reverendo????? Ahahaahahahahahah aahahahahaha ahahahahaha! Quem lhe instituiu reverendo? Quem lhe impôs as mãos para você sair por aí fazendo beicinho, batendo pezinho e exigindo (!!!!!) que lhe chamem REVERENDO?????

    A Santa Igreja Católica, fundada por Jesus Cristo, tem como PEDRA FUNDAMENTAL a Pedro, O PRIMEIRO BISPO DE ROMA, o PRIMEIRO PAPA. E a SUCESSÃO APOSTÓLICA prova a continuidade da mensagem de Jesus e o Magistério da Igreja.

    E você, reverendozinho de meia tigela? Quem lhe nomeou alguma coisa para você sair por aí se auto-proclamando REVERENDO?????

    É cada folgadinho que aparece por aí falando pelos cotovelos que vou te contar…

    • Humberto Caetano Pereira permalink
      julho 8, 2010 14:24

      Não creio ter falado com você.

      Por outro lado não faltei com o respeito a Vsrª . Pelo contrário.

      Paz e Graça!!!

      Rev. Humberto Caetano Pereira.

    • Humberto Caetano Pereira permalink
      julho 8, 2010 14:35

      Não consigo compreender tanto rancor vindo de você?!

      Um bom católico deve fazer o trabalho de evangelização
      o tempo todo. Não creio que sua atitude faça faça parte do
      magistério da igreja.

      Mesmo assim querido e amado de Deus, desejo as bençãos
      do Senhor em sua vida e tudo o que você desejar a mim em
      dobro para você e a sua família.

      Paz e Graça!!!

      Rev. Humberto

      • julho 8, 2010 15:09

        Perdão, mas de minha parte não há qualquer rancor.

        Muitíssimo obrigado por teus votos de bençãos para mim e minha família. Agradeço e retribuo de coração!

        Que o Senhor da Vida ilumine nossos corações para que sempre O sirvamos da melhor maneira possível, apesar de nossos incontáveis defeitos.

        []’s

  11. João Vitor permalink
    julho 8, 2010 19:00

    Quanto preconceito.
    “Desnecessário dizer que isto é mais uma jogada de marketing religioso de inúmeras seitas, que usam o futebol e o sucesso de algumas estrelas deste esporte para tentar passar uma mensagem de sucesso divino garantido àqueles que sigam seus caminhos. Ah! A falta que fazem os sacramentos!”
    Seu texto foi de uma ignorancia inojável.
    Tenha um bom dia.

  12. Filipe Sales permalink
    julho 9, 2010 00:16

    Poxa cara, vc não vai aceitar o comentário que eu coloquei???
    Que preconceito com a minha pessoa. rsrsrs.

    Abraço !

    Filipe Sales (Guerreiro)

    • julho 9, 2010 04:09

      Se for o acima, que veio com outro nome, está aí… Era só isto mesmo que vc queria dizer? E?

      []’s

      • Filipe Sales permalink
        julho 9, 2010 12:09

        Poxa cara, eu havia feito um comentário com tanta paciência, e este racado não está aqui no seu blog… fui tão incoerente assim???

        publica ae cara, qual o problema???

      • julho 9, 2010 13:04

        Aqui não chegou nada…

        []’s

  13. julho 10, 2010 09:02

    Prezado,
    A questão pode ser melhor colocada. Partindo do autoproclamado princípio da “sola scriptura”, os “evangélicos” (históricos ou não) sempre se recusaram a persignar-se com o sinal da cruz, embora este tenha profundas raizes bíblicas. Ezequiel 9, 4-6 fala em um sinal em forma de ‘tau’, ou seja, num sinal de cruz. O Apocalipse é mais explicito. Após determinar que a fronte de todos os servos de Deus seja selada com um sinal na fronte (7, 3) e determinar que os anjos poupassem os que tivessem tal sinal (9, 4), o Apocalipse descreve expressamente tal sinal: trata-se daqueles que tem na fronte inscrito o nome do Cordeiro e de seu Pai. Assim, quando traçamos o sinal da cruz em nosso corpo, em forma de Tau, iniciando pela fronte e dizendo “em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”, estamos sendo profundamente bíblicos. E, coerentemente com o nosso cristianismo católico, estamos seguindo a Tradição Apostólica do sinal da cruz, registrada por Cipriano de Cartago já no século III, e por Jerônimo e Agostinho no séc. IV.
    Mas e este “gesto” agora inventado pelos “jogadores evangélicos”? Qual a raiz bíblica? qual a raiz na História da Igreja? Nenhuma. Não vai aí nenhum julgamento ao coração de quem o faz – a Epístola de Judas nos lembra que nem o Arcanjo Miguel o fez contra Satanás em pessoa (Jd, v. 9), mas apenas uma resposta a quem julgou e difamou os católicos: o gesto de persignação tem raízes bíblicas e na Tradição Apostólica, e por isso é coerente com o que nós acreditamos. Persignamo-nos em nome do Pai (Jo 5, 43), e eles (os evangélicos) não aceitam, embora tenha raiz bíblica evidente. Agora vem outro e cria um gesto em seu próprio nome, e eles aceitam como legítima manifestação de fé, sem nenhuma raiz bíblica. Isso lembra Jo 5, 43.
    Bom, certamente os jogadores “evangélicos” podem fazer o sinal de crença que quiserem, são livres para isso. Mas nenhum “evangélico” pode defendê-los a partir da Bíblia, porque não é bíblico. Nem se recusar, a partir daí, a reconhecer que o sinal da cruz com que nós, católicos, nos persignamos, tem, isso sim, raízes bíblicas profundas, e que as críticas “evangélicas” a ele eram, mais uma vez, descabidas.

  14. julho 10, 2010 09:04

    Ah, esqueci de fazer duas remissões bíblicas: a forma do sinal da cruz está em Ap 14, 1, e o conteúdo, em Mt 28, 20.
    Paz de Cristo e benvindos os irmãos evangélicos que quiserem voltar à verdadeira Igreja.

Trackbacks

  1. Gestos de fé no gramado « Vida sim, aborto não!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: